Mulan: “Vou fazer de você um homem”

Como qualquer criança que cresceu na década de 90, eu sou apaixonada pelos filmes da Disney. Já vi cada um umas vinte vezes, sei todas as músicas e, principalmente, canto as letras errado com convicção. É  o caso clássico da música O que eu quero mais é ser rei, do Rei Leão, que eu sempre cantei “Quando eu for rei ninguém vai me/ Não serei nenhum bléu”. Depois de velha fui descobrir que o correto era “Quando eu for rei ninguém vai me vencer em nenhum duelo”, o que de fato faz muito mais sentido, mas que me é impossível de cantar, porque pra mim é bléu, pronto acabou.

Aliás, essas reflexões que surgem “depois de velha” sobre determinadas coisas da infância às vezes deixam aquela pulguinha atrás da orelha. No próprio caso do Rei Leão. Uma vez eu tava numa conversa sobre como esse era o melhor e mais legal filme que jamais existiu, e um amigo militante, concordando, fez a ressalva de que o filme era muito conservador. Eu: “OHHH, por quêêê?” e ele mandou uma de que, poxa, o Simba largou um modo de vida libertário, assim como fizeram Timão e Pumba, pra fazer uma restauração monarquista na Pedra do Reino. Hehehehe

O que eu fiz com essa informação foi ignorá-la completamente e continuar cantando que não serei nenhum bléu. Mas é aquela coisa… Por exemplo, depois que virei uma alegre e convicta adulta feminista, às vezes penso no efeito da boneca Barbie na minha vida. Nossa, a minha vida era brincar de Barbie quando eu era pequena. Sempre tem aquelas meninas que falam: “ah, eu não, eu gostava de subir em árvore e jogar futebol com os meninos”, mas eu era capaz de passar dias inteiros sentada na frente da minha casa da Barbie inventando um enredo pra vida delas. Hoje percebo coisas do tipo: a Barbie que eu achava mais bonita era sempre a principal e a que eu achava menos bonita era sempre a mãe. Porque, sendo menos bonita, fazia sentido de que ela fosse mais velha, por exemplo. No mais, acho que brincar de Barbie foi importantíssimo pra um desenvolvimento intelectual e psicológico, acreditem se quiserem. Afinal, criar enredos de vidas, relações sociais, familiares, amorosas, problematizá-las e mesmo vivê-las, em certa medida – era isso que eu tava fazendo.

Mas na verdade esse post é sobre um filme da Disney específico. Um que eu gosto muito em particular, que também sei as falas e que também canto errado: Mulan.

Todos sabemos que a Disney é conservadoríssima, que Walt Disney era uma máquina de fabricar ideologia (vide as clássicas aventuras da turma do Pato Donald na América Latina no bojo da política de boa vizinhança do governo norte-americano nas décadas de 30 e 40). Mas, assim… a “restauração monarquista” do Rei Leão não me fez menos libertária ou de esquerda, da mesma forma como as Barbies não me fizeram sonhar em ter uma cintura menor do que a cabeça (embora saibamos que elas fizeram isso com muita gente, num grau doentio). Só que aí vem Mulan. E Mulan, com sua mensagem a ser passada, realmente me atingiu. Me deu vontade de cortar o cabelo com a espada e ir pra guerra no lugar dos meus pais. Me deu a certeza de que eram coisas de menina inteligência e bravura, ao invés de sempre – e apenas – beleza e docilidade. É por isso que eu amo a Mulan.

Eu tava vendo uns vídeos no Youtube com as músicas em português e descobri uma coisa engraçada. Uma das letras que eu sempre cantei errado foi a da música Homem ser, cujo refrão eu sempre cantei “Vou vencer”. Em inglês, a música é entitulada “I’ll make a man out of you” (“Vou fazer de você um homem”), e ela é trilha pro treinamento dos soldados losers (Mulan inclusa) pra irem pra guerra. No final eles ficam super sinistrões e é a Mulan, aliás, que resolve o desafio lançado pelo filho gatinho do General de subir numa espécie de pau de sebo gigante (revistinha do Chico Bento mode on) pra pegar uma flecha. Achei sintomático que a música tenha esse nome, porque é o momento em que a Mulan conquista de fato o lugar reservado aos homens, o lugar da guerra, que é também o lugar da inteligência estrategista que ela parece dominar mais do que todos os outros homens, como vemos no desenrolar do filme. E assim… todo mundo acaba aplaudindo isso. É legal, parabéns, você tomou esse lugar pra si. Talvez os papéis sociais reservados para homens e mulheres não sejam tão rígidos. Isso, em termos de Disney, é ou não é revolucionário? =)

Não sei se ainda existe spoiler de Mulan (porque eu tenho pra mim que todo mundo já viu esse filme, tipo O Sexto Sentido), mas aviso que esse parágrafo comentará o final do filme. Qualquer coisa, pula pro próximo. No fim, Mulan e seus amigos salvam a China da invasão huna sob o comando dela, todos vestidos de mulher usando seus paninhos dos vestidos para subir as pilastras do castelo do Imperador, armando toda uma arapuca muito maneira. Ela, que no começo do filme tá numa depressão só porque “honrar sua família” significa coisas que ela não quer – casamento arranjado, docilidade, fim da liberdade –, acaba tendo o reconhecimento e o afeto do seu super fofo pai através da inteligência e da coragem. E ainda fica com o filho gatinho do general no final, porque, pô, é um filme da Disney, né?

Enfim, digam o que quiserem, mas acho Mulan um filme feminista. Acho que faz bem pras menininhas, acho lindo, amo as músicas. Poderia comentar mais em detalhe os pontos feministas do filme, mas a divagação me tomou muito tempo e o trabalho clama por mim, hehe. Deixo pra vocês os comentários então.

“Nome? Eu tenho um nome… E é nome de homem, viu?”

Anúncios

13 respostas em “Mulan: “Vou fazer de você um homem”

  1. Love muito Mulan! E como você, sempre me emocionou muito o fato de ela cortar o cabelo com a espada e ir pra guerra no lugar dos pais. Uma coisa irônica: a única boneca que eu tive por minha vontade foi a Mulan. Minha ídola!

  2. Eu também tinha a Mulan. A minha era a que cortava o cabelo, com aquela roupa roxa. A da Larissa era a de roupa de gueixa que tirava a maquiagem. A minha era mais true! Hahaha

  3. Vi o link no facebook da Elisa e vim aqui correndo ler… pq Mulan representa tudo isso aí pra mim. Engraçado como as coisas que a gente vê pequena mudam nossa visão das coisas. Quando eu assisti Mulan só pensava como era legal toda aquela coisa de mulher corajosa e tudo mais. E, além de tudo, o filme é engraçado e ela fica com o bonitão no final. 😉

  4. Cara, fico pensando se a Disney traça planos de como ser machista/racista/homofóbica ou é porque a parada tá enraizada mesmo. Já viu como o tio do Cimba tem o pêlo bem mais escuro que os outros leõs? Ele é tipo um negro…

  5. Eu não assisti Mulan. Já tinha “ficado grande” na época e parei de ver os filmes da Disney no Corcunda de Notre Dame.

    Em verdade Hércules e o Corcunda de Notre dame foram muito importantes na minha infância. E pra minah vida inclusive.

    E concordo que certos desenhos nos inspiram e certas magias da infância ficam para sempre mesmo que possamos um dia descobrir que quando eu crescer eu “Não serei nenhum bléu” . Enfim acontece. Mesmo o Rei leão sendo conservador, fazendo reforma monarquista e o Scar ser vilão unicamente por ser negro e gay. Mesmo assim eu ainda canto baixinho comigo as músicas do hércules quando algo vai mal na minha vida. Ou repito algumas piadas do gêniod a lampada e fica tudo bem. Acontece também.

    P.S. Mil desculpas por ter acabado com seu sonho de infância quando te falei a verdadeira letra de o que eu quero mais é ser rei, tá? Desculpa mesmo. =/

  6. Pingback: 10 anos sem Cássia Eller « …ou barbárie.

  7. poxa a musiquinha do rei leão também chokei ! e pelo q vi vc cantava melhor que eu, pq eu falava “Quando eu for um rei ninguém disserem nenhum bléu” mas valeu saber a forma certa . É a primeira vez que visito e foi por acaso mas gostei mt e já salvei nos favoritos !!

  8. eu amo a mulan, ela é a minha princesa favorita! eu acho muito engraçada a parte que ela vai tomar banho no riacho e os homens vão lá também e ela tem que fazer de tudo para tentar ir embora sem eles verem ela nua

  9. eu só naum entendi uma coisa se a mulan cortou o cabelo porquê ela sempre aparece nas fotos com o cabelo longo tipo assim pô ela se despediu daquele cabelaum de dois dedinhos antes da cintura e acordou para a realidade e percebeu que cabelo curto é mais fofis porquê desde que eu vi o desenho da Mulan eu fiquei 3 semanas inteira procurando a resposta do cabelo curto, mas a mulan eu acho que é a única das princesas (em segundo lugar depois da Bela) que teve coragem de se passar por um perigo para salvar a vida de quem ela amava :putnam:

  10. Descobrir que sua professora é fã de Mulan e ainda fez um super texto sobre isso,não tem preço! Não esqueça que na música “Alguém pra quem voltar” enquanto todos os homens cantam sobre as mulheres “ideais”(que cozinham pra eles, são bonitas, etc) ela diz” mas se ela o cérebro usar/Vai ser a maioral?” e todos respondem em coro que não.

    Melhor esquerdopata❤️

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s