Quilombo São José: Mãe Tetê já sabia.

Nossa senhora do Rosário
Oi, Saravá São Benedito
Nossa senhora do Rosário, aê!

(Jongo de Abertura)

Nos últimos três dias (de sexta a domingo),  eu fui a um lugar mágico, onde o tempo passa de um jeito diferente. Chama-se Quilombo São José da Serra, e o motivo da viagem foi um projeto do curso de História Oral que eu tô fazendo esse semestre na UFF. A UFF, aliás, tem uma relação interessante com o Quilombo; muito trabalho de pesquisa é feito lá, então eles já nos conhecem bem. O Quilombo, aliás, fica cada dia mais pop, e o número de visitantes aumenta a cada festa realizada na comunidade.

S6302972

O Quilombo São José fica no distrito de Santa Izabel, em Valença, no Rio.  Pra quem não sabe, essa região é conhecida como Vale do Paraíba, uma das principais regiões cafeeiras do Brasil escravista,  onde até hoje predominam grandes propriedades que cercam o Quilombo São José, numa história de conflito de terras bem complicada. Felizmente, a titulação da terra, garantida pela lei de 1988, que prevê isso para de comunidades remanescentes de quilombos, está aprovada e deve ser assinada pelo Governo Federal até o fim do ano.

Eu fui lá pela primeira vez, embora boa parte da turma já tivesse ido na festa do 13 de maio desse ano, data na qual eu fiquei doente e em casa, emburrada da vida por não poder ir. Mas dessa vez a situação foi muito diferente. A turma preparou um projeto de pesquisa de História Oral e a idéia era que cada um de nós entrevistasse uma pessoa, a partir dos mesmoS63029662 objetivos, para depois analisarmos conjuntamente as entrevistas e as comparássemos. Assim, fomos lá num fim de semana comum da vida da comunidade, sem festa, sem protocolo, só cotidiano. E outra: fomos lá pra mais do que “oi! entrevista! tchau!”, como parece ser o mais comum. A gente conheceu o pessoal da comunidade, dançou, fofocou, tomou cachaça, jogou bola, zoou junto. Eles mesmo sentiram essa diferença de qualidade na relação, e comentaram com a gente.

Uma das coisas que mais me preocupava nessa visita – e nessa pesquisa – era essa coisa do pessoal ser sempre “objeto de estudo”. Imagina que a sua comunidade, e mais, a sua casa, é ponto turístico pra antropólogo e historiador. E há uma certa cultura de tradição, que tem que ser  S6302970constantemente reafirmada. Imagino que nem sempre o pessoal esteja na pilha de dançar jongo, por exemplo. Será que isso não se transforma numa espécie de obrigação? Será que todo mundo ama o jongo? Essa é uma questão que vamos tentar responder a partir da análise das entrevistas.

Com isso na cabeça, eu fiquei meio sem jeito no começo, pensando toda hora se nós não estávamos invadindo um pouco a intimidade das pessoas. E como no primeiro dia tinha pouca gente no Quilombo, porque os adultos estava pra cidade trabalhando, ficou um clima meio que de corrida por um entrevistado, o que me deixou desconfortável e um pouco nervosa. Mas o engraçado foi que, a despeito de todo o meu incômodo, o pessoal do Quilombo não parecia nem um pouco incomodados, muito pelo contrário. Eles estavam tranquilos e alegres, S63029732nervosa era só eu. Fiquei pensando se isso era só porque eles já estavam acostumados com visitas. Talvez sim, mas só costume era muito pouca explicação pra tanta leveza. Afinal, eu posso estar aconstumada a encherem meu saco, mas não vou ficar sorrindo pelos cantos enquanto fazem isso.

No sábado, fizemos uma trilha até o Jequitibá, árvore que o pessoal diz ser o “pai” da comunidade, um símbolo, porque os fazendeiros já tentaram jequitibaderrubá-lo de tudo que foi jeito e ele continua lá, lindão, fortão e fazendo uma espécie de caverna com os galhos entrelaçados, o que faz dele também um lugar espiritual. No caminho pro Jequitibá, passamos na casa da Mãe Tetê, uma senhorinha que é hoje a líder espiritual da comunidade. Ela é irmã do seu Toninho Canecão, a principal liderança da comunidade e presidente da Associação dos Moradores. Aliás, ele foi o meu entrevistado, o que vai me dar um trabalho sinistro pra estudar, porque vai ter um discurso político bem articulado assim não sei onde!

Pois bem, Mãe Tetê nos levou pra conhecer o terreiro dela, que fica atrás da casa. Termino esse post com um trecho do meu caderno de campo, falando sobre essa visita, que deu resposta à minha dúvida sobre o incômodo que poderíamos estar causando.

Da casa da Mãe Tetê fomos pro terreiro. Era uma casinha de barro e pau-a-pique com um anexozinho de tijolo, que é novo. Era muito bonito por dentro. O teto estava repleto de bandeirinhas coloridas pra festa de São Cosme e São Damião. Era pequetitinho, não deve ser tanta gente por cerimônia, não dá espaço. Os banquinhos eram todos baixos, e um adeles tinha uma bengala de madeira do lado. Dona Tetê chamou atenção de que não poderíamos sentar naquele, e eu concluí que ali era o lugar do Preto Velho. Ela nos falou sobre o terreiro e outras coisas, contou que Mãe Zeferina [mãe da Dona Tetê e grande líder espiritual da comunidade] mandava recados pra ela, e que noite passada havia sonhado com um vestido de noiva que se desfazia em sangue, o que significava que alguém noivo corria perigo. Disse també que Mãe Zeferina tinha dito que éramos todos boas pessoas, que éramos de bem. Naquele momento eu acho que entendi o problema do incômodo. Não era questão de costume com pesquisadores e turistas, a questão é que ela sabia que éramos de bem e que poderia confiar em nós. Assim, não há incômodo, não há desconfiança. É religião, é verdade.

Há grandes chances dos próximos posts serem sobre a experiência em São José. Vivi muita coisa bonita, ainda há muito o que contar. E muitas fotos pra receber, já que minha máquina quebrou no início da viagem… Mas deu tempo de gravar isso:

Anúncios

2 respostas em “Quilombo São José: Mãe Tetê já sabia.

  1. HUAHEUHUAHEUAHUEHAUEHAEUAHEUAHEU QUE CRIANÇA GORDA!!!

    (ok, dps eu leio o post e venho com mais sensibilidade)

  2. Prezada,
    Sou pesquisadora Iconográfica e estamos produzindo um livro de história para o Ensino Fundamental I (4º ano) e nossos autores gostariam de usar a imagem do Quilombo São José da Serra que está no seu site.

    Aguardo resposta.

    Um Abraço
    Vanessa Manna

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s